quinta-feira, 19 de julho de 2012

O estado da Bahia tem o maior aumento de violência no país

Uma pesquisa realizada pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos (CEBELA) aponta a Bahia como o estado que teve o maior aumento na taxa de homicídios de jovens do país na última década. Os dados divulgados nesta quarta-feira (18), revelam que o estado é o terceiro maior no número de assassinatos contra jovens com faixa etária entre 1 e 19 anos, atrás apenas de Alagoas e Espírito Santo.

O mapa da violência 2012, 'Crianças e Adolescentes do Brasil', que tem como base as informações do Ministério da Saúde, analisou a taxa de homicídios dos últimos 30 anos nas capitais e municípios brasileiros. Segundo a pesquisa, na Bahia foram registrados, em 2000, 3,5 homicídios de cada 100 mil habitantes. Em 2010, esse número chegou a 23,8, representando um aumento de 576,7%.

Em Salvador, os números apresentam alta quando analisados individualmente em relação ao estado. Em 2000, o índice na capital era de 6,3 de jovens assassinados. Já em 2010, aumentou para 58,0, fazendo com que a cidade ocupasse a 4ª posição dentre as capitais com maior número de homicídios de jovens.

Na comparação entre os municípios brasileiros, do interior e regiões metropolitanas com mais de 20 mil crianças e adolescentes, Simões Filho continua ocupando o primeiro lugar do Brasil, com uma taxa de 134,4 homicídios em relação a sua população.

Em Feira

Somente neste final de semana foram registrados três homicídios de menores de idade. Por volta das 4h, da madrugada desta segunda-feira (16), Leandro Santos Pinho, 17 anos, que residia no povoado Santa Rita, no bairro Mangabeira, foi assassinadono interior do condomínio Rio São Francisco, situado na rua D, no mesmo bairro, com golpes de faca que atingiram o tórax.

No domingo (15), a noite, Fabio Lisboa de Souza, 13 anos, foi executado com vários tiros na cabeça, na porta de casa, localizada na rua do Rosário, no bairro Conceição.

Pela manhã, Matheus Alberto Neri, 16 anos, que morava na rua Salmo 39, no conjunto Fraternidade, foi encontrado morto nas proximidades do Parque da Cidade.

No Brasil


A taxa teve um crescimento de 375,9% entre os anos de 1980 e 2010. Além dos dados sobre as agressões intencionais, a pesquisa apresentou informações como acidentes de trânsito, outras causas externas acidentais e suicídios. Esses fatores que no início da pesquisa representavam 6,7% das mortes dos jovens brasileiros, em 2010 alcançou o percentual de 26,5%. O estudo completo está disponível na página Mapa da Violência.


FONTE: Com informação do Agência Brasil







3 comentários:

Anônimo disse...

oh como não ter numero alto de mortes... bolsa familia, minha casa minha vida... fruto disso a marginalização... pode pari que tem dinheiro pra sustentar comfarinha ( bolsa familia ) pode pari que tem casa pra morar ( minha casa minha vida ) pra que trabalhar ? se ja tem casa e comiga ( farinha com agua ) ! o salario dos professores que ta correndo risco de vida com os marginais... ate agora nada... mais bolsa familia, casa, se marginal for preso filho recebi 916,00 reais... o frutos das morte é esse !

Anônimo disse...

Onde vamos parar com tanta violencia?!o pior é que a maioria dos que morrem são os envolvidos com drogas.então o fim só é a morte.

Makallin disse...

este que morre como desse o comentario 1 é por que estudarão em escola publica e não pela bolsa familia e´porque escola publica nunca ensina nada se ensine coisa boa os filhos dos professores estudavam em escola publica so filho de professor so estuda no nobre no visão e etc....so eu sei o que é escola publica ok