quarta-feira, 12 de julho de 2017

Pastor é preso acusado de vender terreno irregular na Senador Quintino

Policiais da 1ª Coordenadoria de Polícia Civil do Interior (COORPIN), com apoio de investigadores da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), sob a coordenação do delegado João Rodrigues Uzzum, realizaram uma operação na manhã desta terça-feira (11-07-17), no município de Feira de Santana, com intuito de cumpri um mandado de prisão preventiva, em desfavor de João Alves Filho, 53 anos e quatro de buscas e apreensões, nas residências de funcionários e escritórios de João Alves.


O coordenador João Uzzum, disse que, os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Crime de Feira de Santana e requerido pelo Ministério Público Estadual. “Todos os mandados foram cumpridos, inclusive o de prisão preventiva contra João Alves Filho, tendo em vista, participação do mesmo em questões de loteamentos de terra ilegal. Os mandados foram passados na outra semana, onde solicitamos dos policiais das unidades os levantamentos e na data de hoje, juntamos várias delegacias e conseguimos com êxito nossa missão”.

“Na operação apreendemos documentos, computadores,  elementos esses que vão ser, pela Força Tarefa, devidamente classificado, para serem remetidos ao Ministério Público  e a Justiça. Agora, o senhor João Alves será submetido ao Exame de Corpo Delito e depois encaminhado ao Conjunto Penal de Feira de Santana”.


O delegado disse também que, “tudo indica que todo o loteamento vendido na Senador Quintino esteja com problemas irregulares, pois existem um processo tramitando na justiça de irregularidades nas vendas desses lotes e com isso pedimos para as pessoas  que estejam em processo de compras que realmente suspendam a atividade tendo em vista a possibilidade de estejam sendo lesados”, explicou o coordenador.

é capitão da Polícia Militar, salienta os perigos do uso de “ligeirinho”. “Um assaltante que estava atuando como ligeirinho. Os ônibus, táxis e mototáxis que circulam no município passam por fiscalização e temos como atestar a segurança. No município temos o canal de denúncia que é o 156, mas futuramente a SMTT poderá ter uma ouvidoria, não só para denúncias, mas para medir a qualidade do serviço público”, disse o secretário.



Nenhum comentário: