sexta-feira, 8 de junho de 2012

Bandidos estão utilizando motocicletas de 50 cilindradas para cometerem crimes

Investigadores da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR) de Feira de Santana afirmou para reportagem que os bandidos estão utilizando motocicletas de 50 cilindradas das marcas Shineray e Track para cometerem assaltos, tráfico de drogas e até mesmo homicídios.

“Observamos que os bandidos estão tendo preferência por essas motocicletas em razão justamente da falta de documentação estadual e de um órgão regulador tipo o Departamento de Transporte do Estado da Bahia (DETRAN). Então, eles estão roubando essas motocicletas, falsificando a nota fiscal, que é o único documento que a motocicleta tem, para quando passar em uma blitz, apenas os policiais pedem a nota fiscal, eles apresentam e ficam circulando com elas normalmente pela cidade”. Contou um investigador que não quis ser identificado.

Outro investigador afirmou ainda que os policiais tenham dificuldades na identificação desses veículos (motocicleta de 50 cilindradas), nas ruas, em razão dos veículos não serem cadastrados no órgão regulador que é o Detran e não possui placa de identificação. Com isso fica fácil para eles cometerem seus crimes e circularem tranquilamente pelas ruas”.


Regulamentação

Desde janeiro de 2011, os condutores de cinquentinhas da capital pernambucana convivem com a regulamentação do veiculo. Lá, o emplacamento de motos de 50cc é obrigatório e todos os condutores devem registrar o veiculo junto ao Detran-PE.

Para as autoridades de Recife, a ação vai possibilitar que os órgãos de trânsito punam os motoqueiros que conduzam esses ciclomotores de maneira imprudente ou irregular. O que só será possível mediante a identificação do veiculo por meio do emplacamento obrigatório.

Em abril deste ano, foi a vez de Salvador, a capital da Bahia, entrar na luta contra o mal uso desses veículos por assaltantes e bandidos. A Câmara Municipal da Capital, aprovou por unanimidade um projeto de lei que também regulamenta o uso das motos de 50cc.

Utilizando os mesmos argumentos da capital pernambucana, o vereador Alberto Braga, autor do projeto, disse que Salvador precisa regulamentar o uso das cinquentinhas. “Precisávamos disciplinar o uso deste tipo de veículo. Alguns condutores livres da identificação costumam circular sem capacete, estacionar em locais proibidos, ultrapassar semáforos colocando em risco a vida de muitos soteropolitanos”.

Com a regulamentação do seu projeto, o edil espera também que o número de crimes que são cometidos por alguns condutores que utilizam esse tipo de motocicleta seja minimizado.

Assim como Recife, Salvador também vai obrigar a moto de 50cc ser identificada por meio de uma placa traseira lacrada na estrutura do veículo de acordo com as especificações estabelecidas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Feira de Santana

A realidade na segunda maior cidade da Bahia é diferente. Por aqui as motos de cinqüenta cilindradas voltaram a chamar atenção nos últimos dias, sobretudo em bairros próximos ao centro da cidade.

Segundo relato de pessoas que já foram vítimas assaltantes que conduziam cinquentinhas e também de moradores dos bairros mais afetados, bandidos ainda estão utilizando-se das facilidades na aquisição e condução destas motocicletas para realizarem assaltos e cometerem diversos tipos delitos.

Entre eles (bandidos) há um pensamento insolente e comum: acreditam que ficarão impunes já que não há legislação específica que obrigue a identificação das respectivas motos. Por conta disto, certamente, haverá mais morosidade na elucidação dos crimes cometidos. A população dos bairros atingidos está atemorizada e clama por providências emergenciais dos governantes.

Folha do Estado com fotos de Gleidson Santos

5 comentários:

Anônimo disse...

Se a culpa fosse da regulamentação ninguém cometia crime com CG, Tornado, Bross, Celta, Uno...
Até parece que o criminoso vai cometer um crime com moto registrada em nome dele ou que a placa leve até ele. Roubar e matar é proibido nem por isso deixa de acontecer. Eu acho que o problema é a impunidade. O cara mata e sabe que não vai dar em nada. De cinquentinha ou registrada, não da em nada, se for pego logo logo é solto. Fica no presídio comendo as custas do povo. Não trabalha, só aprendendo coisa errada.

Anônimo disse...

tem que regulamentar sim,essas motos são um problema para o transito seus condutores sabem que não vão ser multados e punidos se aproveitam e invadem sinais, sobem em calçadas arriscando a vida deles e de outras pessoas e não usam capacetes é uma bagunça essas motinhas

Anônimo disse...

tem que regulariza essas motos mesmo, crianças que ñ tem noção niuma de transito circulando pelo centro da cidade, ontem mesmo um condultor de uma 50cc utrapassou a sinaleira no sinal vermelho quase qausava um acidente.
PLACA NESSAS MOTINHAS

Sérgio Brito disse...

Muitos comentários acima são pertinentes, mas falta bom senso em alguns! Corcordovcom o colega que disse que ninguém vai cometer um crime com um veículo registrado! É obvio. Sobre subir nas calçadas, qualquer um sobe até mesmo carros.... E aí??? Concordo plenamente que é a impunidade a raiz de todos os problemas. No Japão o transito é mais seguro que banheira em casa...porque os motoristas sabem que se forem pegos cometendo infrações certamente irão para a cadeia.
Se uma pesquisa mínima for feita veremos quais motos causam mais acidentes com mortes e assaltos. São motos entre 100 e 150 cilindradas e não cinquentinhas.
Abs

Sérgio Brito disse...

Muitos comentários acima são pertinentes, mas falta bom senso em alguns! Corcordovcom o colega que disse que ninguém vai cometer um crime com um veículo registrado! É obvio. Sobre subir nas calçadas, qualquer um sobe até mesmo carros.... E aí??? Concordo plenamente que é a impunidade a raiz de todos os problemas. No Japão o transito é mais seguro que banheira em casa...porque os motoristas sabem que se forem pegos cometendo infrações certamente irão para a cadeia.
Se uma pesquisa mínima for feita veremos quais motos causam mais acidentes com mortes e assaltos. São motos entre 100 e 150 cilindradas e não cinquentinhas.
Abs