terça-feira, 8 de maio de 2012

Sangue Ruim: Acusado de matar sete pessoas degoladas, morre durante queda de helicópetero “levando” mais sete

Um helicóptero da Polícia Civil caiu na zona rural de Piranhas, a 30 km do centro, no interior de Goiás, e matou as oito pessoas que estavam a bordo. A aeronave participava da reconstituição da chacina que ocorreu em Doverlândia no final de abril. Segundo Polícia Civil, havia oito pessoas a bordo. Além de policiais e delegado, o helicóptero também levava o suspeito do crime, Aparecido Souza Alves, de 22 anos.

Foto: Wildes Barbosa/ O Popular/ AE O suspeito Aparecido Souza Alves durante reconstituição do crime em Doverlândia, na última semana
A polícia investiga se o helicóptero explodiu no ar antes de cair. As vítimas do acidente são os delegados Jorge Moreira, Osvalmir Carrasco (piloto), Vinícius Batista, Bruno Carneiro (copiloto), o superintendente da Polícia Judiciária, Antônio Gonçalves, os peritos Marcel de Paula e Fabiano de Paula e o assassino confesso, Aparecido Souza Alves. A aeronave teria saído da revisão nesta segunda-feira e ainda não se sabe as causas do acidente.
Participam da operação de busca um helicóptero do Corpo de Bombeiros e viaturas das cidades próximas. Os trabalhos de busca e de perícia vão continuar durante a noite.

O MASACRE

Sete pessoas foram degoladas na cidade de Doverlândia, a 340 km de Goiânia. A chacina ocorreu no sábado (28) à noite em uma fazenda da região.

As vítimas foram o proprietário da fazenda, de 57 anos, seu filho, de 22 anos, um empregado da propriedade rural, de 34 anos, e quatro vizinhos que tinham ido ao local para entregar um presente de casamento.

Os corpos do fazendeiro e de seu filho foram encontrados dentro de um banheiro da propriedade por outros vizinhos que passaram pelo local e estranharam o silêncio, a porta fechada e a ausência dos proprietários.

Os restos mortais das outras cinco vítimas foram encontradas horas depois nas proximidades. Aparentemente, os vizinhos - o proprietário de outra fazenda, sua esposa, seu filho e sua nora - chegaram quando o crime já tinha sido consumado, mas enquanto os criminosos ainda estavam na residência.

Fonte iG São Paulo

 

Um comentário:

Anônimo disse...

ESSE ERA FILHO DO CÃO MESMO LEGITIMO