terça-feira, 15 de maio de 2012

Polícia apreende arma que pode ter sido usada no crime da Matriz

Policiais do Serviço de Investigação da Delegacia de Repressão a Furtos e Roubos (DRFR), que tem o comando do delegado André Ribeiro, apreenderam no final da manhã de hoje (15), um revolver calibre 38, que estava no interior de uma residência, localizada no bairro Tanque da Nação.
Arma que pode ter sido usada na tentativa de latrocínio que deixou duas pessoas mortas

Segundo a polícia, a arma foi encontrada na posse de Jackson Agostinho de Alcântara Neto, conhecido como “Neto”, 23 anos. Ainda de acordo com a polícia, essa arma pode ter sido usada no crime, que aconteceu na semana passada, na Praça da Matriz, onde duas pessoas foram assassinadas.

Investigadores da DRFR afirmaram para reportagem que descobriu o local que arma usada no crime estava escondida, após investigações, desde primeiras horas depois do crime. Os policiais afirmaram ainda que já ouvisse algumas pessoas, más o principal suspeito de deflagrar os tiros que mataram duas pessoas, ainda continua foragido.

A linha principal da investigação, ainda é a tentativa de latrocínio que ocorreu contra a vitima Jackson Ferreira Oliveira, 22 anos, onde durante os tiros disparados contra ao jovem, acabou acertando em Gutenberg Santos da Silva, 40. Mas, o Serviço de Investigação da DRFR e da Delegacia de Homicídio estão também investigando em outra linha.

Na delegacia, Neto afirmou para reportagem que não tem nenhum envolvimento no crime e que apenas a arma foi encontrada no quintal da casa da sogra do mesmo, que é a mãe de um homem, que é o suspeito número 1, de ter cometido o duplo homicídio.

“Na noite do crime, encontramos o revolver jogado no quintal da casa da minha sogra, como tinha um grupo de homens armados e encapuzados atrás do criminoso, ficamos com medo deles acharem a arma, ai eu peguei do quintal, retirei as balas e guardei separadamente, as munições da arma”. Contou Neto.

Ainda de acordo com Neto, “escondemos a arma, para que no dia seguinte, minha sogra fosse apresentar na polícia, mas ficamos com medo, e sempre agente adiava o dia da entrega da arma. Agora me meti nessa laranjada, eu não fiz nada, eu não participei de nada”. Explicou Jackson Neto.

O LATROCÍNIO
Jackson

O crime aconteceu no inicio da noite do último dia 9 (quarta-feira), quando Jackson estava sentado em um dos bancos de cimento da praça, quando o criminoso se aproximou e anunciou o assalto. A vítima saiu correndo e o assaltante disparou várias vezes em sua direção. Um dos disparos acertou o tórax de Gutenberg Santos da Silva, 40, que residia no bairro Tomba, que também não resistiu e morreu.
Gutenberg

Cristina da Silva, esposa de Gutenberg, afirmou para a reportagem que ela e o marido passavam pela praça, quando ouviram os tiros. “Ele ainda falou assim: ‘Cristina, acho que um tiro acertou em mim’. Tentamos correr, mas ele caiu. Quando observei, meu marido já estava ensanguentado e sem voz. Fizemos de tudo para animá-lo, mas não conseguimos. Quando o socorro chegou, ele já estava morto”.

3 comentários:

Anônimo disse...

não estou entendendo, mim diz ai : a arma que matou os dois não foi uma ponto .40 ?
e pq agora diz que foi um 38 ?

brenda disse...

oi meu nome e brenda tenho doze anos e fui assaltada na frente de casa hoje estou em estado de choque ainda quero mais rondas policiais aqui no campo limpo eu nao aquento mais essa onda de violencia por favor nos ajude por favor!!!!!

Mário disse...

Guto que Deus te ilumine nessa sua nova trajetória vai com Deus amigão